sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Quer ouvir uma verdade? Tem coisa que machuca a gente de um jeito intenso e que, ao invés de melhorar, faz arder e queimar, deixando em carne viva. Uma das coisas mais importantes para mim é enxergar o outro. Antecipar as necessidades, talvez. Seja com um carinho, um beijo, uma palavra, uma atitude, um abraço, um silêncio, um grito. Até mesmo um berro é importante, tirar de dentro o que corrói os sentimentos, se expor, demonstrar, fazer. O tempo passa, as coisas vão se ajeitando, tudo vai sendo esquecido e o egoísmo impera. Não sou a toda poderosa, também sou egoísta. Mas procuro, até demais, olhar para quem está ao meu lado e tentar entender o que acontece dentro da pessoa. Profunda? Sim, muito. É tanta profundidade que cansa, me cansa, te cansa, cansa o universo. No meio disso, tento ser mais rasa, mas descubro que sentimento tem que ser profundo, senão não sobrevive.


Seria um erro esperar mais? Mais compreensão, mais doação, mais paciência, mais cuidado com o que sai da boca, mais emoção, mais verdade e menos palavras soltas e fogo de palha. Era para ser tão simples, afinal, a vida não é difícil como dizem nos livros. O ser humano não é tão complexo quanto alguém inventou um dia. Somos bichos, não somos? Agimos por instinto, fico me perguntando: será que é uma pena termos sentimentos? Porque somos julgados a toda hora por isso, por sentir. Por ser. Por amar. Não sei se eu sei amar direito. Talvez não saiba, mas existe uma forma certa, um jeito certo de amar? Talvez fosse melhor não ser tão inteira. Mas eu seria eu? Talvez, talvez eu fosse um eu-sem-sentimentos. Tudo se resolveria, estaria aí a grande chave para a felicidade? Não ter sentimentos, apenas deitar nos embalos divertidos da vida, sem responsabilidades, sem prestar contas com a consciência, sem nada de nada: apenas diversão, sorrisos, alegria. O que me faz bem permanece comigo, o que é ruim eu tento sufocar e se não der, babaus, jogo no lata de lixo mais próxima. Fim.


Quer me magoar? Diga que não sabe, adie, esqueça, diga que não tem certeza. Eu descobri: palavra para mim é coisa quase sagrada. Não que eu seja santa e imaculada, não que você seja sujo e imprestável. Mas procuro pensar bem antes de machucar. Prefiro ter conversas sérias olhando no olho. Prefiro entender que se algo é importante para você, vamos resolver, vamos falar sobre isso. As coisas não se resolvem pegando só o lado bom. A vida não é uma garrafa de Coca-Cola ("viva o lado bom da vida"). A vida, muitas vezes, é uma garrafa de uísque bem xexelento.


Tem gente que confunde as coisas. Não sou uma boneca, a gente não vai brincar o tempo inteiro, não posso ir para o quartinho de brinquedos, não pode me guardar no armário, não dá para me colocar na estante e pegar quando quiser. Eu também confundo as coisas. Ninguém sente igual a mim, ninguém gosta de tudo muito claro e transparente, às vezes as pessoas só querem viver. Sem porquês. E eu penso: por que questiono tanto? Não seria mais fácil ficar quieta e nadar de acordo com as ondas? Pode ser. Mas não consigo prender a respiração por muito tempo.


Escrito por Clarissa Correa


O sofrimento é um professor. Professor sábio e convincente. É de grande valor quando dele se tira o proveito do amadurecimento pessoal, da busca da paz, da serenidade e da harmonia com todas as pessoas a nossa volta.
Pensando nisso após 2011 findar,  vi que foi um ano que nem vi passar, pois desde os primeiros dias de janeiro, meus pensamentos foram em função de coisas que vieram como tempestades.  Não havia porque disfarçar ou dissimular um estado de tristeza e de desolação.
E o tempo, senhor da razão e da vida, vai dando o toque de que é preciso continuar a viver, que a vida nunca mais será a mesma, mas que pode ser diferente e boa, por que não...?
E assim, recentemente num cair da tarde, pela primeira vez no ano, depois de ter ficado no facebook o dia inteiro, tomado um sorvete com minha filha e ter assistido na televisão um desenho que já havia assistido com ela antes, senti uma grande sensação de bem-estar, o coração leve, uma saudade presente, mas que me acalentava. Era como se a presença do meu passado me ninasse como em tempos de menina, e a certeza de que tudo é o que tem que ser tomou conta do meu ser.
Foi tão forte essa sensação que eu acreditei com toda fé que nenhuma folha de uma árvore cai sem que seja a vontade de Deus....
Agora estou naquela fase da vida descrita pelo compositor Renato Teixeira e cantada por tantas vozes, que transcrevo porque não encontrei nada que fosse mais verdadeiro para explicar como me sinto:
TOCANDO EM FRENTE
Ando devagar porque já tive pressa
E levo esse sorriso porque já chorei demais
Hoje me sinto mais forte, mais feliz quem sabe
Eu só levo a certeza de que muito pouco eu sei
Eu nada sei
Conhecer as manhas e as manhãs
O sabor das massas e das maçãs
É preciso amor prá poder pulsar
É preciso paz prá poder seguir
É preciso chuva para florir.
Sinto que seguir a vida seja simplesmente
Conhecer a marcha, ir tocando em frente
Como um velho boiadeiro levando a boiada
Eu vou tocando os dias pela longa estrada eu vou
Estrada eu sou...
Todo mundo ama um dia todo mundo chora
Um dia a gente chega e no outro vai embora
Cada um de nós compõe a sua própria história
E cada ser em si carrega o dom de ser capaz
De ser feliz.
E graças ao amor, sinto que renovei a capacidade de ser feliz. Hoje, muito mais forte, sabendo apenas que um dia a gente chega e no outro vai embora. Do mais, nada sei. Sou uma aprendiz da arte de viver... ( SAVOIR-VIVRE...)

Fases da vida

Fases, idades, pessoas, momentos
Assim é feita a vida
Cada fase uma idade e em cada idade várias fases
Idade que vai e não volta, mas que lindas todas elas...

Pessoas que entram e saem
Pessoas especiais
Pessoas
 amigas, que nos ensinam, que nos amam
Pessoas que dividem sua essência, suas dores
Dividem momentos, alegrias, prazeres
Pessoas que não compartilham também entram em nossas vidas

Pessoas diferentes cruzam nosso caminho
Mas ainda assim nos ensinam
Pessoas são sempre pessoas
Próprias, únicas
Que nos proporcionam momentos únicos também
Momentos intensos que também não voltam mais

Momentos bons, momentos ruins, mas sempre momentos
Momentos de alegrias, de dor
Mas em cada momento um cheiro, um gosto
E na lembrança trago todos eles
E todas as pessoas, todas as fases
Que me deram momentos que jamais esquecerei
Momentos que em cada idade viveria diferente
Mas em todas elas simplesmente vivi
E como sou grata a vida
E como sou grata a tudo o que passei
E como sou grata a Deus
Por cada momento
Por cada sorriso, cada lágrima, cada pessoa.