quarta-feira, 6 de abril de 2011

Nós criamos nossas vidas

Era um daqueles dias ensolarados, em que nos sentimos bem por estar vivos. Eu respirava o ar perfumado, enquanto via Chris entrar no carro.

Seu sorriso e aceno eram cheios de vida, e o volume do bebê que ela esperava já aparecia nitidamente sob seu vestido.

Eu me lembrava da Chris que havia batido em minha porta para nosso primeiro encontro um ano antes. Ela usava o cabelo encaracolado e escuro bem curto, e tinha um andar determinado. Andava de modo rígido, sem qualquer ginga no corpo. Acenou com a cabeça ao ver-me, sem sinal de sorriso.

Naqueles dias, Chris carregava sua própria nuvem negra, como sempre, durante a maior parte de sua vida.

Observou-me cuidadosamente enquanto sentava na cadeira do meu consultório. Sua voz era tensa e aguda, quando começou a me falar sobre sua vida.

Contou-me com tristeza que sua mãe só se interessava por roupas, e não sentia afeto por ela. Seu pai estava sempre trabalhando, e só se interessava por dinheiro e sucesso. Ele era excessivamente mesquinho, e regulava de tal modo o dinheiro para a faculdade que ela deixou a universidade sem acabar o curso. Ela não sentia qualquer obrigação em relação a eles.

Chris não tinha tempo para o restrito modo de vida deles, e raramente os visitava.

Quando era criança, sempre se sentia diferente, tímida, desajeitada. Na escola era impiedosamente maltratada, e ninguém parecia protegê-la ou prestar atenção nela. Foi reprovada na maioria dos exames, apesar de ser inteligente, porque ninguém a estimulava.

Chris queria fazer algo com sua vida, mas se via presa num emprego sem futuro, trabalhando para pessoas maçantes, e nada parecia poder fazer a respeito disso. A frustração era enorme.

Nunca havia tido sorte na vida. Nada de bom cruzava seu caminho. Tentava agradar as pessoas, sem sucesso. Ninguém correspondia, e ela achava que ninguém gostava dela.

A única coisa boa em sua vida era seu namorado. Eles moravam juntos e ele pensava exatamente como ela. A vida era uma batalha terrível, que nada reservava para eles.

Não tinham dinheiro, e não podiam se dar ao luxo de comprar um carro. De qualquer modo, não fazia diferença poder ou não comprar um carro, porque ela não tinha auto-confiança suficiente para conseguir dirigir.

Informou-me que nunca se casaria. Era perigoso demais. Certamente, nunca poria um filho neste mundo terrível.

"Não há nada que se possa fazer, não é?" disseram seus olhos, inquisitivamente, enquanto encostava na cadeira, cruzando os braços e lançando-me um olhar furioso. No entanto, por trás da careta havia um apelo desesperado e temeroso. Parecia perdida e sozinha. Não pude deixar de lembrar da época em que eu havia me sentido como uma vítima desamparada do destino. A vida parecia muito ameaçadora.

Levei Chris a rever sua vida, mostrando-lhe exatamente como ela mesma havia causado esses relacionamentos e eventos difíceis. Expliquei as Leis do Universo.

"As leis do Universo são as grandes Leis pelas quais vivemos. Governam nossas vidas, porque estamos dentro de um Universo estruturado e sujeitos a Leis Espirituais. Através dessas Leis atraímos todas as pessoas e situações. Quando as compreendemos e as aplicamos, podemos assumir responsabilidade por nós mesmos e dar direção e propósito a nossas vidas. Então deixamos para trás o papel de vítima indefesa e nossas vidas se transformam."

Chris aceitou e aplicou as Leis: dentro de um ano, havia conseguido um trabalho criativo de que gostava muito. Casou-se com seu namorado, e está agora esperando um bebê.

Conseguiu curar seu relacionamento com seus pais, e seu pai lhe deu um carro de presente - o qual ela aprendeu a dirigir.

Seu corpo se movia com vitalidade e energia, e seu rosto era vivo e expressivo. Sua vida tornou-se feliz : ela agora possuía as ferramentas e o conhecimento para conservá-la desse modo.

As pessoas em geral estão se tornando mais conscientes de que existe uma estrutura no Universo, mas não sabem direito do que se trata nem o modo de aplicá-la.

Quanto mais compreensão tivermos, mais fácil se torna nossa caminhada rumo à saúde e à felicidade. Só assim nunca mais nos permitiremos ser vítimas do destino.

Este estudo é sobre as Leis do Universo, e sobre como podemos assumir responsabilidades e usá-las para criar a vida que queremos. Ele mostra que não existe acaso, nem má sorte nem acidentes. Não vivemos num mundo caótico.

As leis do Universo são exatas: quando as entendemos e as aplicamos corretamente, as consequências lógicas são paz, amor, saúde, prosperidade e sucesso.

Quando acreditamos que somos desamparados e que as pessoas e circunstâncias podem agir sobre nós, tornamo-nos vítimas. Ao sentir impotência perante as responsabilidades que devemos assumir pelo que sentimos, culpamos fatores externos.

Culpamos as pessoas por nos magoarem. Culpamos o governo ou o sistema de educação pelo nosso emprego insatisfatório. Culpamos nossos pais por nossa falta de auto-confiança. E culpamos o destino pelas circunstâncias de nossas vidas.

Ao compreendermos como e porque estamos vivendo nas atuais circunstâncias, podemos aprender a tomar as rédeas de nosso destino.

A qualidade de nossas vidas vem de dentro de nós. Em nosso interior existe a plena capacidade para criação de vidas maravilhosas. Podemos dissolver a dor, as mágoas e os medos que causam nossos problemas, e experimentar a vida que desejamos.

O ponto de mutação acontece quando aceitamos
que somos responsáveis por tudo o que ocorre em nossas vidas.

Quando assumimos a responsabilidade pelo que está acontecendo em torno de nós, reconhecemos que a vida é um reflexo do que está acontecendo dentro de nossas mentes. Perguntamos então como atraímos ou criamos tal situação difícil, relacionamento infeliz ou doença. Então podemos tomar providências no sentido de mudar ou curar tal situação. Se olharmos para uma árvore refletida num lago, podemos ver um galho quebrado, ou outro que precisa ser podado. Percebemos que não há porque nem como mudar apenas o reflexo. Então olhamos para a própria árvore, e vemos nitidamente o galho quebrado. Podamos os excessos. Assim o reflexo também mudará.

Assim também acontece com nossas vidas.

Durante mais de 40 anos de minha vida, acreditei que devia aceitar tudo o que o destino me mandava. Eu não sabia que era pessoalmente responsável por criar minha vida, e que a vida só me dava o que eu pedia.

Todos aqueles anos eu era uma vítima, porque não sabia como assumir a plena responsabilidade por mim mesma.

Eu costumava ser uma pessoa tensa e ansiosa, sempre depressiva e muito insegura, num mundo enorme e hostil. Sentia-me frenquentemente culpada, impotente e furiosa. Achava assustador acreditar que era uma pobre vítima.

Quando encontrava pessoas desconhecidas, não sabia se gostariam de mim. Ou me fechava ou fazia um enorme esforço para ser agradável.

Ao tentar coisas novas, ou desistia pelo medo do fracasso ou então me esforçava demais, para ter absoluta certeza de que teria sucesso.

Dentro de mim havia uma parte muito magoada e desvalorizada, que eu escondia do mundo. Como muita gente, também aprendi quando criança que só o lado competente e sorridente de minha pessoa podia ser aceitável.

Empurrava os sentimentos de mágoa, raiva, timidez e ciúmes para o mais profundo de meus ser.Disfarçava-os com um controle rígido, frequentemente com bebidas alcóolicas ou comida, de modo a apresentar ao mundo uma fachada competente. Isto requeria muita energia.

Quando minha vida desmoronou, fui forçada a olhar para o modo como o Universo trabalha, o propósito da vida e porque as coisas acontecem. O mais importante: aprendi o domínio, o que nos leva a cumprir nosso destino.

Desde então vivo uma excitante maravilhosa viagem de descobrimento. Agora sei quem sou, porque estou aqui e para onde estou indo. Ainda tropeço e caio muitas vezes, mas o conhecimento e a compreensão significam que posso me levantar e continuar meu caminho.

Compartilhando algumas das minhas experiências e aprendizados com você, assim como o que aprendi com meus clientes e amigos, espero que sua vida se torne mais feliz e mais fácil.

Este livro nos mostra como nossas vidas mudam quando mudamos nossas crenças interiores. Tudo em nossa vida é um claro reflexo do que pensamos.

Uma das Leis Espirituais diz: "Tal dentro tal fora". Quando aprendemos a dissolver nossas crenças negativas e nossos medos, permitindo que o lado positivo aflore, nossas vidas mudam. Ofereço a você com amor este livro, para acender sua vida e ajudar você a percorrer seu caminho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário