segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

CAPÍTULO 5 - COMO AGE A CONSCIÊNCIA FAMILIAR


EM QUALQUER RELAÇÃO, SEJA ENTRE FAMILIARES, SEJA NO GRUPO DE AMIGOS, SEJA ENTRE COLEGAS, EXISTE UMA CONSCIÊNCIA QUE NOS IMPULSIONA À REAÇÃO AUTOMÁTICA QUANDO FAZEMOS ALGO QUE PODE PREJUDICÁ-LA OU PÔ-LA EM PERIGO.

NO SISTEMA FAMILIAR, COMO EM TODOS OS RELACIONAMENTOS, HÁ UMA CONSCIÊNCIA COMUM QUE SE ENCARREGA DE REGULAR ESSE EQUILÍBRIO SEMELHANTE AO GRILO FALANTE DE PINÓQUIO, QUE NOS SUSSURRA AO OUVIDO PARA MANTERMOS A ORDEM.

QUANDO PERDEMOS O RUMO EM NOSSOS RELACIONAMENTOS, SOMOS INVADIDOS POR UMA SENSAÇÃO DE MAL-ESTAR QUE NOS PREDISPÕE A FAZER ALGO PARA RESTABELECER O EQUILÍBRIO. AS RELAÇÕES ENTRE TODOS OS MEMBROS DE UMA FAMÍLIA SÃO REGIDAS POR ESSA SENSAÇÃO DE MAL-ESTAR OU DE PRAZER INTERIOR.

MESMO QUE NÃO PERCEBAMOS, A CONSCIÊNCIA FAMILIAR EXERCE UM GRANDE PODER SOBRE NOSSA VIDA. ELA ORIENTA NOSSAS RELAÇÕES E, PARA ISSO, SE BASEIA EM CERTAS ORDENS NATURAIS.

ASSIM, SE VOCÊ INTENCIONA SABER COMO ESTÃO SUAS RELAÇÕES FAMILIARES, CONSIDERE MENTALMENTE O QUE PODERIA INDICAR NO MOMENTO A CONSCIÊNCIA EM COMUM. POR EXEMPLO, COMO SE SENTEM O IRMÃO DE MARTÍN OU OS PRIMOS DIANTE DA FALÊNCIA DO NEGÓCIO DA FAMÍLIA, DO QUAL ELE É O GERENTE. COMO O CONSIDERAM POR SEU ALCOOLISMO E SUA VIDA DESORDENADA?

PELO FATO DE A CONSCIÊNCIA VELAR PARA QUE SEJA CUMPRIDO O DIREITO DE PROPRIEDADE, OCORRE INEVITAVELMENTE UM DESEQUILÍBRIO NA REDE FAMILIAR E, INDEPENDENTEMENTE DO CARGO OCUPADO, MARTÍN É CONSIDERADO EXCLUÍDO.

CONSTRUÇÃO DA CONSCIÊNCIA

DESDE A INFÂNCIA, SOMOS INTEGRADOS À FAMÍLIA SEM QUESTIONAMENTOS. A ISSO CHAMAMOS DE "AMOR ORIGINÁRIO". RAPIDAMENTE, COMPREENDEMOS QUE É NOSSO DEVER SERMOS LEAIS A ESSA INSTITUIÇÃO. ENTÃO CONSIDERAMOS IMPORTANTE TUDO O QUE NOSSOS PAIS DIZEM. POR ISSO, INTERIORIZAMOS ATÉ OS MAUS-TRATOS, AS OFENSAS E OS INSULTOS COMO ORDENS A SER CUMPRIDAS. OBEDECEMOS A ELAS, MESMO QUE NÃO CONCORDEMOS.

NÓS NOS VINCULAMOS À FAMÍLIA COM UM AMOR INCONDICIONAL. ESTAMOS DISPOSTOS A ENTREGAR A FELICIDADE E ATÉ A PRÓPRIA VIDA SE ACREDITARMOS QUE TUDO SERÁ EM BENEFÍCIO DE NOSSOS PAIS E DE NOSSA REDE FAMILIAR. ENTÃO FAZEMOS TUDO AQUILO QUE ESTIVER AO NOSSO ALCANCE PARA CONSERVAR A HARMONIA.

A CONSCIÊNCIA FAMILIAR NOS ENSINA QUE TUDO O QUE NOSSOS ANTEPASSADOS ACEITARAM É RESPEITÁVEL. COMO EXEMPLO DESSE FATO, ESTÃO AS SEGUINTES PALAVRAS DE UM BATEDOR DE CARTEIRAS REABILITADO: "EU PEGAVA AS CARTEIRAS DOS BOLSOS, POIS ESSE ERA UM TRABALHO MUITO RESPEITÁVEL ONDE NASCI. TODAS AS PESSOAS DE MINHAS RELAÇÕES TINHAM BATEDORES DE CARTEIRA ENTRE SEUS ANTEPASSADOS, E COM MUITA HONRA!".

ASSIM, EM UM GRUPO FAMILIAR, OS ATOS ADMITIDOS OU REJEITADOS EXERCEM EM NÓS UMA FORÇA INTERNA IMPERCEPTÍVEL. O QUE PARA UM DETERMINADO GRUPO É VÁLIDO, POSSÍVELMENTE NÃO SEJA CONSIDERADO DESSA MANEIRA POR OUTRO.

A CONSCIÊNCIA NOS SENSIBILIZA PARA A PRÓPRIA FAMÍLIA E NOS FAZ CEGOS ÀS REGRAS DA CONSCIÊNCIA DA SOCIEDADE. QUALQUER MEMBRO CONHECE AS NORMAS FAMILIARES E SE SUBMETE A ELAS DE MODO INCONSCIENTE.

EM UM GRUPO DE NEGOCIANTES, A EXPLORAÇÃO E O ABUSO ALHEIOS E SEM QUESTIONAMENTOS PODE REGER A CONSCIÊNCIA FAMILIAR.

Nenhum comentário:

Postar um comentário